Mochilão pelo Peru: como organizar? – parte II

postado em: América Latina, Peru | 4
dsc02251
Pisac

Mochilão pela América do Sul é uma viagem econômica e surpreendente. Vale a pena planejar direitinho e, por isso, segue a segunda parte do roteiro da trip pelo Peru. Como contei no outro post, fiquei três dias em Cusco. No primeiro, conheci bem o centrão da cidade. No segundo, conheci o Vale Sagrado, tema deste texto. No último, fiz um bate e volta para Machu Picchu.

Fechei o passeio para o Vale no próprio hostel, o Loki, mas imagino que existam várias agências de turismo na cidade. O tour custa 15 dólares (excluindo ingressos e refeições).

Uma van passa na porta do hostel às 8h. Em cerca de 40 minutos, chega-se a Pisac, uma das partes mais importantes do Vale Sagrado. O lugar é muito interessante: reúne plataformas, aquedutos, muralhas, fachadas e outras construções incas. Além disso, é possível visitar o mercadão de lá e garantir as lembrancinhas. Há paradas ao longo do caminho para as fotos com as fofas lhamas.

dsc02220dsc02227dsc02239

dsc02230
Mercado de Pisac
dsc02240
Pisac

dsc02241dsc02254dsc02263dsc02266

A próxima parada é o restaurante Tunupa, na cidade de Urubamba, para o almoço. O bufê é liberado e custa 14 dólares. São mais de 20 pratos, com opções típicas do Peru. Achei o lugar lindo e bem agradável. Recomendo!

dsc02277dsc02276

A seguir, vem Ollantaytambo, um forte construído nas montanhas às margens do rio Urubamba. No topo das ruínas, encontra-se o Templo do Sol, construído com monólitos que permaneceram intactos durante séculos, apesar dos efeitos do clima. Para chegar lá, é necessário subir uma escadaria. Cansativo por causa da altitude, mas nada impossível. E nem preciso dizer que a vista lá de cima é um espetáculo, né?

Muita gente opta por passar a noite em Ollantaytambo, por conta da proximidade com Águas Calientes (pouco mais de uma hora e meia de viagem de trem), de onde parte o ônibus para Machu Picchu. Eu preferi voltar para Cusco para não ter que levar a mala para o passeio pelo Vale e por não querer dormir num lugar diferente.

O ingresso para Ollantaytambo sai a 70 soles peruanos. Há um outro tipo de bilhete, válido por dez dias, que custa 130. Serve para aqueles que estiverem com tempo e quiserem explorar cada cantinho do Vale Sagrado.

dsc02285dsc02287dsc02289dsc02290dsc02292

Por fim, o tour do Vale leva à cidade de Chinchero, famosa por seu tradicional mercado, onde há produtos têxteis incríveis feitos à mão. Procure experimentar lá o conhecido chá de coca. Aliás, bebê-lo alivia bastante os efeitos da altitude, assim como mascar a folha da planta ou comer as balinhas produzidas a partir dela.

Outra dica importante: se estiver planejando ir à Bolívia (posts sobre La Paz e Salar de Uyuni), a boa é se aclimatar no Peru, que fica num ponto mais baixo.

Obs.: Viagem feita em junho de 2014

dsc02297
Chinchero

dsc02302dsc02305peru

 

4 Respostas

  1. […] Sagrado, no Peru: Além de ir a Machu Picchu, explore também o Vale Sagrado. Posts (parte I, parte II e parte III) com explicações de como organizar o mochilão pelo […]

  2. […] de Cusco. É beeeem puxada e leva até três dias. Há ainda aqueles que preferem pernoitar em Ollantaytambo (no Vale Sagrado) e partir de trem de lá, pois é mais próximo de Águas Calientes que Cusco (uma hora e meia de […]

  3. […] fiz um supermochilão pela América do Sul. Comecei por Cusco, fui a Machu Picchu e segui para Arequipa e Chivay. É só clicar em cada link para saber como planejar sua viagem pelo Peru. Agora, vou […]

  4. […] organizar o mochilão pelo Peru (parte I, parte II e parte […]

Deixe uma resposta